Carta aberta a você, que empreende

Sei que você trabalha muito. Nem precisa me dizer. Estou certo de que dedica a maior parte do seu tempo para a sua empresa, para os seus negócios. Você vive quase exclusivamente para eles. Muitas vezes é gratificante, você se realiza, outras vezes se frustra, mas não importa: esta é a sua vida! A empresa talvez seja o seu mais importante projeto. É claro que você não admite isso com todas as letras, mas a resposta está justamente na quantidade de tempo que você dedica a ela, em comparação ao reservado  às outras áreas da vida. Inclusive sua família. É desproporcional, não é? E aposto que você continua pensando na sua empresa, mesmo quando está em outras atividades extra trabalho. Então, não podemos esconder o sol com a peneira. Você é uma pessoa empreendedora e dedicada, em busca de sucesso.

Você costuma dizer que faria uma porção de outras coisas se a empresa não lhe tomasse tanto tempo. Reduz as férias a uma ou outra ponte, entre feriados. Ainda assim, sempre dá um jeitinho de entrar na Internet para checar as mensagens… Então, você nunca está no aqui/agora. Você sempre está com a cabeça lá.

É certo que você se acostumou com essa adrenalina e talvez nem soubesse o que fazer, caso sobrasse tempo. Mas reconheça uma coisa importante: você não é apenas o seu cargo de diretor ou sócio-proprietário; você não é a sua empresa; você não se reduz ao seu papel de pessoa de negócio. É importante tomar consciência disso, caso contrário, você estará oferecendo para a sua empresa apenas uma parte de você. E, certamente, não o seu melhor.

Tenho comigo que conselho nunca se dá. Se alguém pedir, ofereço, e mesmo assim de maneira bem comedida. Mas, inspirado pela chegada do novo ano, sinto-me estimulado a intrometer-me onde não sou chamado, para dar algumas dicas e pistas. Faz sentido, porque resultam da experiência acumulada nesses últimos vinte anos, em que estou fortemente vinculado a empreendedores e líderes. Espero que o pacote, embrulhado para presente, contribua de alguma forma para a sua trajetória, a sua empresa, quem sabe até a sua vida.

Vou reforçar a idéia: você não é a sua empresa. O papel de proprietário deve ser abandonado, em favor do de empresário. Sim, porque ser proprietário é uma coisa, ser empresário é outra. Quando se é proprietário, tem-se a empresa como um patrimônio, tal como é a casa ou o carro. Muitas vezes a gente se apega a esses bens. E o apego não contribui em nada para a vida de um empreendimento.

É por conta desse apego que não se constrói uma equipe de alto desempenho. É por conta desse apego que não se desenvolve líderes competentes e comprometidos. É por conta desse apego que a empresa não deslancha e não cresce. Afinal, a quem interessa a propriedade? A você, apenas. E a mais ninguém. Como toda a regra tem exceção, talvez interesse a pessoas com desempenhos medíocres, acostumadas a trocar emprego por salário. Mas o que elas têm a contribuir para com a empresa? Muito pouco, quase nada. Na verdade, não levarão o empreendimento a nenhum lugar, da mesma forma que elas também não evoluem, em razão dessa mentalidade.

Também é por conta desse apego que o seu tempo não é bem investido. Vou arriscar! Digo, sem medo de errar, que 80% do que faz com o seu tempo não serve para nada. Antes que se exalte, deixe-me esclarecer. Aposto que gasta suas preciosas horas mais no controle do que no resultado; mais no custo do que na receita; mais nas tarefas do que nos projetos. Se estiver certo, está aí algo de que você precisa urgentemente se livrar: das tarefas que não servem para nada e que simplesmente devem ser eliminadas e das tarefas que precisam ser delegadas. Em seu lugar, passe a fazer aquilo pelo qual você é efetivamente pago: empresariar! E isso significa olhar mais para fora e para o futuro, do que para dentro e para o passado.

Também penso que você passa boa parte do seu tempo resolvendo problemas. Alguns são clássicos: repetem-se há anos. Sabe porque você não os resolve? Porque se resume ao papel de proprietário de empresa e, portanto, faz parte dela. Assim como um dedo não pode tocar-se, nem o olho enxergar-se, você não consegue ver as verdadeiras razões que impedem a resolução desses problemas clássicos e repetitivos como moto-contínuos. Você faz parte do problema! E aí é que está o problema. Quem cuidará de enxergar uma solução? Apenas alguém que consiga olhar de fora. O ideal é que essa pessoa seja você mesmo, o principal líder.

É importante olhar para fora e olhar de fora. Um músico não consegue escutar o som de seu próprio instrumento, enquanto a banda toca. É preciso um certo distanciamento para ouvir o som que a sua empresa está fazendo. Será que está afinado? Será um som de boa qualidade? Ou será um ruído grotesco?

Você não é a sua empresa! Isso é uma boa notícia. Significa que você está livre para criar e contribuir ainda mais para a evolução do empreendimento. Significa que outros podem crescer na empresa e oferecer o seu talento criativo. E a essa junção de competências dá-se o nome de equipe de alto desempenho. E uma equipe de alto desempenho é muito mais capaz de resolver problema; cria muito mais do que seria capaz, isoladamente, um proprietário controlador e centralizador.

Começa um novo ano! Sei você tem muitos sonhos, da mesma forma como no final do ano anterior e as coisas não mudaram nada, nada! É certo que você planejou. Sim, planejar é necessário, mas não é suficiente. É preciso realizar! Entenda por realização criar as condições para que as coisas aconteçam. Significa não atrapalhar! Sim, porque, com as melhores intenções, alguns líderes tolhem o potencial criativo das pessoas na empresa.

Nem todo empreendedor é bom líder. Dedique-se a aprender sobre liderança. Caia fora desse mito que o líder é nato. Nato é o ser humano com todas as suas potencialidades, inclusive de liderança. Esta competência, como tantas outras, pode ser aprendida e aperfeiçoada. Mas não confunda liderança com administração, algo prometido nos cursos de administração e correlatos, como os MBA’s. Todos eles são úteis, mas não garantem excelência na liderança. Esta você terá de aprender em cursos específicos, leituras e experimentações. Importante: aprenda! Não corra o risco de liderar a sua empresa empiricamente e por intuição. Existem ferramentas úteis e conceitos importantes, fundamentais para que você expanda seu potencial e obtenha o máximo da sua equipe e do seu negócio.

E não esqueça de criar ou recriar a sua empresa, sempre com propósito e significado. A maior parte das empresas que conheço não possui uma clara definição de propósito. Quando peço um exemplo de propósito, quase sempre os proprietários de empresa apresentam uma meta, uma cifra, um dado financeiro. Com o tipo de resposta recebida, aprendi a diferenciar um empresário de um proprietário de empresa. O primeiro possui uma visão de futuro, algo inspirador que deseja fazer ao longo do tempo. O segundo possui uma meta de curto e médio prazos, em geral pouco estimulante e desafiadora. Então é importante que haja um propósito. E que esse propósito seja revestido de significado. Algo pelo qual valha a pena todo e qualquer esforço bem direcionado.

Sei que você tem ambição positiva e que chegou aonde chegou por méritos próprios. Parabéns! Mas saiba que mais importante do que chegar é caminhar. Todos os dias. E que a cada novo dia, algo acontece. E que não somos os mesmos de ontem. E que nos criamos e recriamos na medida em que avançamos. Isso é que é importante nessa travessia.

Por isso, não pense na sua empresa apenas como um agente econômico, transformador de matérias-primas ou prestador de serviços. Assim como você é mais do que o seu cargo, a sua empresa é mais do que o ramo de atividade em que ela se situa. Se você pensar com amplitude, enxergará grandeza em si e no seu negócio. Enxergará abundância, onde antes só via escassez. Enxergará prosperidade, onde pensava existir apenas o estrito necessário para a  sobrevivência. Enxergará resultados, onde antes conseguia ver  custos.

Finalmente, lembre-se: a sua atitude é determinante para o sucesso do seu empreendimento. Se você age como proprietário, certamente tenderá a se resguardar e se preservar. Se você age como empresário, assumirá riscos e apostará em novas empreitadas. Está na hora de pensar no novo ano. Está na hora de dar um salto qualitativo no negócio. Está mais do que na hora de construir uma empresa progressista, preparada para obter os mais impactantes resultados no próximo ano.

Sucesso!

Publicado: Administradores.com

Veja também o vídeo: O Devir – Medo x Desejo