Transforme a rotina em boas histórias!

Qual é a sua história favorita? Com qual personagem você mais se identifica? Quem é você quando está sem as máscaras e fantasias da sua função ou cargo?

É nos momentos de descontração que a maioria das pessoas mostram como realmente são e se divertem ao relembrar situações de trabalho que foram significativas. Todos gostam de revisitar momentos difíceis, sem saída, mas que foram resolvidos de maneira surpreendente. Estes “causos”, conflituosos, hilariantes e até inusitados, geram boas conversas e, para aqueles mais atentos, inspiração e aprendizado.

Quando você pensa nas melhores experiências que teve no trabalho, o que vem à mente? Planejamentos estratégicos, acordos e procedimentos previamente pactuados? A rotina diária é como um filme enlatado que, uma vez ou outra, assistimos para relaxar e, em seguida, esquecer por completo. Não estará entre os relatos memoráveis. Seu protagonista jamais será alçado à condição de heroi.

Chamado à aventura

Em geral, as melhores experiências estão relacionadas a momentos de crises e de dificuldades. Impasses desafiadores em que todos foram colocados nos seus limites e tiveram de pensar em soluções criativas. Momentos tensos e desafiadores, mas que exigiram de cada um competências que nem ao menos julgavam ter. E que, em anos de trabalho cumprindo rotinas, jamais de manifestaram.

Quando o talento supera a habilidade

As melhores experiências não vêem das rotinas estabelecidas, nem das normas concebidas, nem das atribuições das funções e muito menos das descrições dos cargos. O que é memorável surge quando cada um consegue ser o que verdadeiramente é, e isso está além dos cargos e funções.

O trabalho, na forma como foi concebido, em suas origens, exige mais soluções técnicas do que soluções criativas. Requer muito das habilidades e pouco dos talentos. Mas ele pode, sim, virar uma história boa de ser contada. Como? Transforme-o num projeto que tenha propósito e significado, para que desperte o compromisso emocional dos envolvidos.

Explore novos mundos

Como um projeto, o trabalho pode ser um jogo, com variedade, desafios adequados, metas e resultados esperados, claros para todos. Basta que se esqueça a hierarquia. Evite normas e regras definidas burocraticamente. A responsabilidade de todos quanto à meta será bem maior. Mas, para isso, lembre de uma regra de ouro: quando as pessoas começam a se comprometer, a sua melhor atitude como líder é se conter, abrindo espaço para o talento alheio. É bom quando as equipes de projeto elegem os seus próprios líderes. Confie e dê autonomia para que todos possam desempenhar bem os seus papéis.

Libere o Trono

O trabalho por projeto funciona de outra maneira. Se você não sabe onde seu pessoal está hoje, isso é um bom sinal. Significa que seus colaboradores ultrapassam as delimitações das suas funções para ir ao encontro dos clientes, pesquisar, estudar… ou seja, estão se dedicando a tudo o que é realmente necessário para fazer um trabalho memorável. Outro desafio para construir histórias é decorrente do anterior: superar as expectativas do cliente passa a ser o principal propósito da equipe e isso deve vir antes dos desejos do líder.

Valorize seus aliados

Conversar faz parte, de maneira indissolúvel, do trabalho por projeto. É preciso que o propósito de um projeto seja o propósito de todos. Viver seus próprios propósitos é viver a sua vida. Propósitos comuns são definidos através do diálogo e da busca do consenso.

 

Esteja aberto à novas aventuras

Não tente, diante de outros desafios, repetir os feitos de um projeto bem sucedido. Contenha a vontade de engessar o êxito! Cada projeto é um projeto.

As conquistas são passageiras. A inconstância é a tônica. O que prevalece  é a capacidade de recriar projetos diante das novas condições.

Lembre-se de que você não está gerando somente os melhores resultados. Está construindo as histórias marcantes, que atravessarão os tempos e servirão de aprendizado para as futuras gerações da empresa. No fundo, é o que fica. Para sempre!

Publicado: administradores.com