Escolha um trabalho que te faça ser verdadeiramente humano

Metade do ano ficou para trás e, para muitos jovens, é chegado o momento do vestibular. Para alguns, esta é considerada a escolha mais importante de suas vidas. A decisão de qual profissão seguir está ligada a quem este jovem será, no futuro. Mas há um desafio ainda maior por vir: tornar-se humano.

Sim, porque somos todos seres inacabados. E na mesma medida em que somos seres inacabados, somos também uma promessa de evolução. Aí está toda a grandeza da existência! E é nesse gap entre a incompletude e a evolução que entra o elemento vital: o trabalho.

O ser se faz humano, se completa e evolui através do trabalho. Podemos dizer que somos feitos para o trabalho. Mas, atenção: nem todo o trabalho é feito para nós. Há trabalhos que causam enfado. São trabalhos sem significado, que nada aproveitam do que verdadeiramente somos, das nossas competências, da nossa vocação.

Fala-se muito do conjunto dos conhecimentos, habilidades e comportamentos adequados para determinadas épocas ou culturas. Certamente, na infância ou adolescência você foi estimulado à aprender outra língua, informática, desenvolver habilidades de relacionamento. Sem dúvida, todas essas competências são importantes. Mas o desafio que sempre atravessará os tempos é viver a sua vocação. É ser capaz de ouvir a “voz interior” que diz o que precisa ser feito. O desafio permanece após a conclusão de determinado curso e nos acompanhará durante toda a vida.

Quando o trabalho está alinhado com a vocação, experimentamos a bem sucedida tríade trabalho/prazer/sucesso. Não existe diferença entre trabalho e lazer, entre esforço e divertimento. E isso é viver a vida no contentamento.

A consciência 

Somos os nossos valores, estamos os nossos comportamentos. Comportamentos podem ser ensinados e aprendidos, mas valores são referências de caráter. Ter valores humanos virtuosos é um grande passo. Tudo o mais pode ser aprimorado, aprendido, expandido.

Existem alguns estágios de consciência. Esses estágios partem da preocupação exclusivamente consigo, evoluem para a preocupação com o outro e emergem para a preocupação com o todo. Desenvolver-se, em todos esses estágios de consciência, é o desafio mais importante que cada um de nós tem pela frente.  Portanto, é mais do que um desafio profissional. É um desafio humano, cuja superação nos transforma em pessoas melhores.

A prosperidade

Curiosamente, somos mais bem sucedidos financeiramente quando expressamos a nossa vocação. Nós nos sentimos autorrealizados e este é o estágio máximo de satisfação que uma pessoa pode atingir.

Infelizmente, não são poucas as pessoas que enterram seus talentos em troca da mera sobrevivência. Quem escolhe sobreviver luta contra a pobreza, o que é muito diferente de conquistar riquezas.

Cair nessa armadilha não acontece por escolha consciente, mas por falta de informação, de conhecimento, de crença, de fé. Quem pensa em sobreviver não consegue refletir sobre outra coisa, além disso. Por ironia, a riqueza está justamente nas outras coisas.

A vocação

O que fazer, então, para escolher um trabalho realizador?

Primeiramente, olhe para dentro de si e, depois, para fora.  Pergunte-se: O que me encoraja? O que consigo fazer sem muito sacrifício? Essas questões ajudam a sondar a sua vocação. O talento é algo muito parecido com um hobby. Mas ninguém nos pagaria pelo nosso hobby. No entanto, nosso talento é o nosso maior valor e o que gera valor.

Depois, é preciso olhar para fora. E as perguntas a serem feitas são: Qual é a minha melhor contribuição? Como posso oferecer o melhor de mim? Como posso ajudar?

Todos somos merecedores de um trabalho que nos dignifique e que nos faça melhores. Só depende de nós descobrir que trabalho é esse. O desafio vale à pena. Lance-se à ele!

Publicado: administradores.com