Solucione a crise de compromisso na sua empresa

Sonhos não realizados, planos não implementados, projetos inacabados, objetivos não atingidos, metas não alcançadas!

“Onde foi que errei?”, esta é a pergunta que o líder abatido faz a si mesmo. Diante desse, e de outros questionamentos, o líder imagina um rol de culpados: a negligência, a preguiça, o desinteresse, a desmotivação.

Todos nós conhecemos uma série de chavões utilizados nos ambientes organizacionais: o cliente é rei (dentro de determinados limites, é claro); o cliente é a razão de ser da nossa empresa (depois da norma e da vontade do chefe).

Em sã consciência todos querem a qualidade, a excelência, surpreender os clientes, produzir os melhores resultados. Todos os líderes desejam uma equipe de alto desempenho e não se trata de um desejo qualquer: trata-se de uma condição necessária para sobreviver e prosperar no mercado. Mas por que isso não ocorre com freqüência? Afinal, qual é o problema? Resposta: ausência de compromisso!

Exemplos de baixo compromisso são fartos nas empresas: a mercadoria que não foi entregue no prazo pactuado; as especificações dos produtos que não foram cumpridas conforme o acordado; a produção que não deu conta de atender a demanda; as vendas que não preencheram a capacidade produtiva; a área de marketing que atrasou com as peças promocionais.

Crise de compromisso! Talvez seja esse o nome da doença que ataca a maior parte das empresas. E é claro que tudo isso se traduz em baixo desempenho e baixos resultados. E pior: na medida que as verdadeiras causas da crise de compromisso não são identificadas, o líder opta por medidas austeras e pressões de todos os tipos que agravam ainda mais a situação.

O que muitos líderes ignoram é que compromisso não se obtém com técnicas e normas. Compromisso é uma questão de atitude! A base do compromisso está nos princípios ou valores humanos.

Em primeiro lugar, uma visão e um sentido de propósito. Uma visão clara de como queremos que seja a nossa empresa. Uma compreensão compartilhada de como queremos tratar os nossos clientes. Este consenso é o primeiro passo para promover o compromisso no ambiente de trabalho. Está aí o primeiro desafio do líder: conquistar a adesão de todos em torno de uma causa.

Se todos estiverem de acordo com a causa, então surge o segundo princípio: a coragem. Coragem significa superar os obstáculos, romper os limites, ir além. Mas isso só acontecerá de fato se o propósito for envolvente e desafiador. A visão e o propósito funcionam como um ímã, mas é a coragem que impulsiona à ação.

O terceiro princípio está ligado à disciplina. Disciplina de manter a chama do propósito acesa, de manter a causa renovada, de não ceder à negligência e à preguiça, de fazer bem feito na primeira vez.

O quarto princípio está relacionado à perseverança. Significa manter-se firme no propósito, não desanimar e nem recuar. Reconhecer que os obstáculos existirão e que serão necessários para que as competências sejam ampliadas.

Compromisso é uma questão de integridade! E é difícil obtê-lo quando existem incoerências que partem da própria liderança.

Está aí a dica: comece o seu próximo programa de mudança organizacional elegendo os princípios e valores norteadores das decisões e das ações. Tudo isso vai requerer muita conversação e participação. É o investimento necessário para a conquista do compromisso e este será o maior desafio dos líderes e organizações nos próximos anos.

Se inscrever
Notificar de
guest
4 Comentários
Mais velho
O mais novo Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Ivo Ribeiro
Ivo Ribeiro
10 anos atrás

Bela reflexão Roberto!

Elaine
Elaine
10 anos atrás

Desafio aceito !!!

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • Uma falsa ilusão a abandonar agora!

    Muitos “líderes” acreditam que liderança é o exercício do poder e do controle. Não conseguem...

  • O complexo de paladino – Parte Final.

    Da saga de herói ao caminho do mestre   O dicionário ensina que vulnerável é...

  • Tática da foca funciona!

    Quem disse que não?  A tática da foca funciona, sim. Nunca neguei, nem mesmo quando...


Vamos conversar?