A política das coisas e a política das gentes

Gandhi não inaugurou – que se saiba – nenhuma obra quando era o principal líder da Índia. Ao contrário, o seu grande feito foi conquistar, para as gentes, a independência de seu país do jugo britânico. Existe a política das coisas (incluindo as obras) e existe a política das gentes (incluindo a liberdade), como no caso de Gandhi e a Índia.

Em tempos de eleição, os debates e as propostas teimam em tratar mais das coisas do que das gentes. É sempre a mesma cantilena das quantidades (de escolas, habitações, estradas, pontes, presídios), em lugar das qualidades (de educação, consciências, valores, virtudes, talentos). Ou seja, a quantidade das coisas se sobrepõe à qualidade das gentes. As coisas se ampliam, mas as gentes ficam sempre do mesmo tamanho, quando deveria ser o inverso.

Gandhi não queria inaugurar obras, queria gerar um povo. Essa é a verdadeira política, o resto é coisa de empreiteiras. A caminhada que fez com o povo em direção ao mar para preservar o sal que seus compatriotas compravam dos ingleses pode ser considerada um gesto menor, mas não é. Enquanto caminhavam, sonhavam. Enquanto sonhavam, ardia em cada um a chama do desejo de liberdade. Assim se eleva a alma de uma nação: por meio de um propósito, não de inaugurações de obras quase sempre inacabadas ou até desnecessárias.

Moisés também caminhou por quarenta anos pelo deserto em busca da Terra Prometida. Quando lá chegou, negou-se a acessá-la. Não se tratava da terra – ou da coisa -, mas da formação de um povo – as gentes – e de uma nação.

O mesmo fez Luther King Jr., que também nunca inaugurou obra nenhuma. Marchou com o povo. O foco estava nas gentes, não nas coisas.

Promessas de obras não formam uma nação. Promessas de dias melhores, como se a realidade se transformasse como num passe de mágica, também não.

Há quem inaugure coisas e há – espero que exista – quem inaugure gentes. E é bom que se saiba sobre gentes. Elas não querem coisas, muito menos dadas sem que as conquistem. Elas querem ser capazes, descobrir suas potencialidades, romper os bloqueios que as impeçam de progredir, viver com dignidade e ser cada vez mais gentes com outras gentes.

Um país cresce com coisas – a conta do velho PIB -, mas uma nação se desenvolve com a efetiva e consciente participação das gentes.

Se inscrever
Notificar de
guest
2 Comentários
Mais velho
O mais novo Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Mário Wilson Nunes de Oliveira
Mário Wilson Nunes de Oliveira
1 ano atrás

Sensacional . Prometem-se coisas como que acaso pudesse ” coisificar ” as pessoas.

Patricia Messina Medeiros
Patricia Messina Medeiros
1 ano atrás

Parabéns Roberto!!

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • “A curiosidade é mais importante que o conhecimento”

    A frase do genial cientista Albert Einstein é também uma declaração de seu principal talento:...

  • Sete maneiras de caminhar – 6o e 7o passos

    O solidário Você despertou! E viu o mercado como um lugar de serviço e ajuda....

  • Quando a cultura não faz parte da ordem natural

    No livro Chamamentos, proponho a ordem natural como o melhor lugar/espaço/tempo/estado para fazer nossas escolhas,...


Vamos conversar?