Desiderato 15 – Eu desejo viver o trabalho como um ato de amor

Se você deseja algo em troca, quando pensa estar amando, reavalie. Não é amor, mas necessidade de preencher alguma carência.  Amor implica disponibilidade, gratuidade e entrega. 

O mesmo princípio vale para o trabalho como um ato de amor.  Deve ser vivido da mesma forma, com devoção, não obrigação e sem almejar algo em troca. Ele é a própria recompensa. 

Há quem pense que é preciso fazer só o que gosta para vivenciar o trabalho como um ato de amor. É um ledo engano, pois limitar-se aos mais agradáveis seria negar a importância dos árduos e heroicos, como os dedicados a tratar doenças, sob risco de contaminação, ou a enfrentar os malefícios das guerras. 

Para viver o trabalho como um ato de amor é preciso gostar do que tem de ser feito. Assim, realizado com amor, todo tipo de trabalho é digno e gratificante. 

A ativista Helen Keller dizia que tudo o que amamos profundamente converte-se em parte de nós. Ela já sabia que o amor não é um sentimento, mas algo em que nos transformamos, na medida em que compõe a nossa vida.

Para Gibran Kahlil Gibran, poeta e filósofo libanês, “o trabalho é o amor tornado visível”. Pois se, de um lado, o amor é algo em que nos transformamos, de outro, o trabalho é a expressão desse mesmo amor.

Quando somos amor, esse amor se transfere para tudo o que fazemos. Segue incorporado ao produto ou serviço, como um invólucro de boa energia. O amor atrai e cativa. Quem o desfruta, quer replicar a experiência e oferecer a recompensa justa, com gratidão. 

O amor é e sempre será a melhor estratégia. 

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • A arte de domar dragões – a verdadeira fórmula o lucro

    Eu tenho, você tem, ele tem. Todos nós temos dragões em nossas empresas: grandes e...

  • “Precisamos construir um enredo que faça sentido para nós.”

    Todas as manhãs, no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro, Getúlio Vargas perguntava à...

  • Acerte sua bússola para o norte: o cliente!

    Com frequência, ouço empresários e executivos reclamando das suas margens de lucro, lamentando que não...