O dilema do tempo e da atenção

De tudo o que pode ser aprendido com o Capital Relacional, uma das principais lições é reconhecer que os resultados dependem mais das relações do que das operações. Não é uma ideia nova. Mesmo assim, avalie. Você, seja líder ou liderado, verifique a sua agenda: quanto tempo está dedicando diretamente aos relacionamentos com clientes, colaboradores, parceiros? Traduza em horas/dia, dias/semana, dias/ano. Verifique se tem tempo para as pessoas. Avalie se você fica a maior parte do tempo onde o resultado está.

Tempo é uma referência e um recurso estratégico. Costuma-se dizer que é escasso. O fato: são 24 horas por dia, nem mais nem menos. Há quem o ocupe por inteiro, nos sete dias da semana. Com a certeza de que está fazendo muito, até demais. Preencher agendas, porém, não significa que seja o melhor aproveitamento do tempo. Ticar tarefas ao final do dia pode não representar nada, do ponto de vista das realizações. Transferir tarefas que não foram feitas hoje para o dia seguinte, talvez não seja o que precisa mesmo ser feito. Melhor teria sido descartá-las de vez.

Ao invés de administrar o tempo – termo inadequado, pois o tempo não é administrável –, pense em administrar a sua cota de atenção. Sim, todos temos uma! É impossível dar atenção a tudo. Você a coloca em uma coisa ou em outra. Não dá para focalizar a sua atenção em duas, ao mesmo tempo, sem prejuízo da eficácia e da excelência. Onde você coloca a atenção é determinante dos seus resultados.

Retornemos, agora, ao primeiro parágrafo. Se os resultados dependem mais das relações do que das operações, verifique onde está a sua atenção. Note bem: não confunda com o tempo despendido entre uma e outra. Mais do que a frequência e o tempo despendido, considere a intenção e a intensão (assim, com s mesmo) de como você vive as suas relações. Avalie se está por inteiro, no estado de presença, na escuta ativa, no exercício da empatia, no interesse pelo outro. Você vai ver que a atenção plena, pela própria intensidade, exige menos dispêndio de tempo. Eis aí uma boa notícia para quem reclama de falta de tempo.

Atenção é o primeiro estágio da reviravolta AIA citada no livro Capital Relacional. Seguem-se, a ela, as outras duas vogais, o Interesse e o Amor. As duas seguintes não existem sem que se faça um investimento na primeira. Atenção, com interesse e amor, forma uma tríade imbatível. Aposte nela!

Se inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Mais velho
O mais novo Mais votado
Inline Feedbacks
View all comments
Tina Marcato
Tina Marcato
3 dias atrás

Gostei dessa tríade Atenção Interesse é Amor . Foco das relações

Quem leu esse artigo também leu esses: