Os 100 últimos dias

Escrevi sobre os 100 primeiros dias de 2023 e – pasme! – comento agora sobre os 100 últimos dias, a iniciar-se junto com a primavera.

Nos primeiros 100, fiz referência aos cuidados com três esferas: o ritmo do negócio, o ciclo da obra, o fluxo do líder. Tenho convicção dos bons ganhos e proventos para quem seguiu aquelas recomendações. Vale a releitura, caso queira recapitular.

Para os próximos 100 e últimos dias de 2023, algo se acrescenta às recomendações iniciais. Mesmo que as metas não tenham sido atingidas ainda e conta-se com os últimos meses para realizá-las, o que se deve acrescentar agora é atuar com vistas em 2024. Mais que atingir as metas e resolver as pendências de 2023, o melhor feito é preparar o terreno para o próximo ano.

Como preparar o terreno?

Vamos recorrer às quatro dimensões da riqueza: causal, potencial, filosófica e econômica. Diante delas e fazendo uso da visão sistêmica, ampliam-se as possibilidades e as potencialidades de uma empresa.

Ao planejar um novo ano, o que mais se pensa é no crescimento da dimensão econômica, no ledo engano de acreditar que, com isso, a riqueza esteja, de fato, aumentando. Lucro e caixa compõem a geração de riqueza, mas ambos são apenas uma parte dela e não asseguram uma riqueza superior.

Para dar a partida engatando a marcha certa, comece pela dimensão filosófica, aquela que trata do por quê? e do para quê?. Comece dando um sentido e um significado para a riqueza a ser gerada em 2024, a partir dos últimos 100 dias de 2023. Sair do imediatismo e pensar nos médios e longo prazos ajuda a imaginar possibilidades e inovações.

Daí retoma-se às outras duas dimensões capazes de garantir as intenções declaradas na filosófica: a causal, que trata do para quem? e a potencial, que cuida do com quem?.

Note que o pronome relativo mais importante dessas duas dimensões da riqueza é o quem. Trata-se da economia das gentes, capaz de conectar o quem da dimensão causal (o cliente) com o quem da dimensão potencial (o colaborador). Nada é capaz de gerar maior riqueza do que gentes de corpo, mente e alma servindo outras gentes também de corpo, mente e alma. Em ambas encontra-se o caminho a ser pavimentado nesses últimos 100 dias.

Finalmente, a dimensão econômica, agora à luz das três anteriores. É hora da economia das coisas: produtos, serviços, custos, orçamentos, preços, metas. Iluminada pelas três anteriores, a dimensão econômica ganha grandeza, relevância e significado.

Temos 100 dias pela frente, portanto muito a realizar em 2023. Faça isso, mas com o olhar para o horizonte. As intenções e intuições para 2024 começam agora.

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • A banalidade do mal

    Se me contassem, em meados de 2019, que viria uma pandemia provocando mudanças radicais em...

  • Ouse criar beleza!

    “As coisas que não existem são mais bonitas”, poetizava Manoel de Barros. Um viva à...

  • Tamanho não é documento

    Grandes organizações privadas, instituições, departamentos, agências e funcionários públicos anônimos jamais serão capazes de prover...


Vamos conversar?