Os caras das relações

A atenção é, sem dúvida, uma grande virtude. E cada vez mais escassa, a considerar a vida moderna, repleta de afazeres, a exigir que estejamos o tempo todo conectados. Nossa atenção fica dividida, disputada pelo celular, o tablet, o notebook — todos repletos de informações. Quase sempre nos sentimos devedores de respostas ao WhatsApp, Instagram, Linkedin, Facebook, e-mail.

Como ficam as relações diante disso?

Não sei você, mas acho muito triste conversar com alguém ao telefone e ouvir, do lado de lá, o som do teclado de um computador, do rádio, da TV ou o insistente barulho do manuseio de utensílios domésticos. Se concordar comigo, certamente achará que o interlocutor não está 100% para você. 

Alguém pode conversar ao telefone enquanto se dedica a outras atividades, como organizar a estante de livros, regar plantas, preparar uma omelete. Mas não acredito que esteja fazendo todas essas com o carinho e o cuidado que cada uma delas exige. 

Estar presente, em estado de atenção, para si e para o outro, é uma grande virtude. Ouvir, com todos os sentidos o que o interlocutor está falando, é um belo serviço. Procurar sentir o que o outro está sentindo, é uma sagrada comunhão.  Observe, no entanto, como as conexões dessa natureza e qualidade são cada vez mais raras.

Relações objetos são aquelas no modo automático em que captamos muito pouco do que é dito e nada do que não é dito, onde, muitas vezes, reside a mensagem essencial. Relações objetos sempre estão sendo asfixiadas por ocupações e preocupações. Quantas coisas são negligenciadas ou deixam de ser feitas corretamente por falta   de atenção e compreensão. 

Relações sujeito/sujeito são aquelas em que você está por inteiro diante do seu interlocutor. Naquele singelo e único momento, o tempo para e não existe nada ou ninguém mais com quem dividir seus sentimentos, empatia, escuta. 

Relações sujeito/sujeito sempre serão prósperas em qualquer interação e meio: na família, entre amigos, no trabalho em equipe, nas negociações. 

Todas as relações possuem uma subjetividade que só pode ser captada via atenção exclusiva, estar por inteiro para o outro. Captar a subjetividade é um talento que poucos desenvolvem, a não ser os negociadores mais eficientes, os vendedores bem-sucedidos, os líderes admirados, os terapeutas perspicazes, os seres humanos adoráveis. É deles que você se lembra e a quem recorre quando precisa, na certeza de que são confiáveis. São eles que investem no Capital Relacional.

Independentemente de gênero, esses são os caras das relações!

Se inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Quem leu esse artigo também leu esses:

  • Líder, jogue o quebra-cabeças!

    Decisões são tomadas dezenas de vezes, dia após dia. Todas são importantes, mas algumas são...

  • Independente do seu negócio, conheça o cliente!

    Transeunte, ensina o dicionário, é o que não permanece, que é transitório. Aparece, fica por...

  • O diabo não é tão feio como se pinta

    Ruídos na porta de entrada, no meio da noite. Os moradores se juntam, assustados. Quem...